Abordamos o tratamento para estrias e informação de como evitar, prevenir ou mesmo acabar com as estrias. Produtos de tratamento para estrias, como cremes caseiros ou à venda no mercado. Como evitar estrias durante gravidez.


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Tratamento de estrias na adolescência

Histologicamente, estrias caracterizam-se por uma fina epiderme achatada, com sulcos embutidos. A derme também é diluída, com uma perturbação da sua matriz extracelular. Feixes de colágeno ficam desgastados ou rompidos.
As fibras elásticas podem estar completamente ausentes, ou se estiverem presentes, também estão danificadas ou rompidas. Redução da expressão de colagénio, elastina, e resultados de ARNm de fibronectina resultam numa perda de matriz extracelular na derme. Depleção de fibroblastos tem sido apontada como um fator causal nestes resultados. Finalmente, o quadro histológico mostra uma dilatação dos vasos sanguíneos da derme nas regiões de separação de feixe de colagénio. 

Estrias são muitas vezes uma preocupação, principalmente cosmética, para pacientes. Como estas estrias tendem a regredir espontaneamente com o tempo, na maior parte dos casos, o tratamento não é recomendado. No entanto, vários métodos foram bem sucedidos na melhoria da aparência das estrias ou, pelo menos, em travar a progressão clínica.
Creme de ácido retinóico tópico a (0,1%) foi eficaz na redução do comprimento e largura das estrias, se aplicado durante as fases iniciais do desenvolvimento de estrias. Este resultado benéfico deve-se, possivelmente, a um efeito antagonista do agente na matriz extracelular, tais como as enzimas degradantes de colagenase e gelatinase. Outros regimes terapêuticos tópicos, incluindo 0,05% de tretinoína associado com 20% de ácido glicólico, 10% de ácido L-ascórbico e 20% de ácido glicólico, podem também ser eficazes. Num estudo, grupos de pós-tratamento mostraram uma melhoria subjetiva determinada por pacientes e médicos, bem como pela análise histológica.
Esta última inclui um aumento no teor de elasticidade dérmica, aumento da espessura da epiderme, e espessamento da derme papilar para níveis próximos daqueles verificados numa pele normal. Estas alterações ocorreram em áreas de estrias maduras, assim como em lesões precoces. A lâmpada pulsada de laser de corante com flash de 585 nm, tem sido relatada em alguns estudos como tendo resultado em melhoria mínima sobre os regimes de tópicos. O custo e o risco associado a alterações pigmentares em pacientes de pele mais escura, têm no entanto limitado o uso de lasers no tratamento de estrias. Futuros avanços na tecnologia de laser podem produzir resultados mais favoráveis e fazer com que os lasers se tornem uma modalidade de tratamento alternativa, mais útil para pacientes insistentes. As abordagens atuais devem concentrar-se mais na observação, do que num tratamento agressivo das marcas provocadas pelas estrias, muitas vezes temporárias.

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL